Sistemas de Inteligência Artificial podem agilizar processos de linha de produção de empresas

A Inteligência Artificial é uma das tecnologias que têm contribuído para a modernização do setor produtivo do País, dos seus produtos e serviços. O engenheiro Elias Neto, vive essa nova realidade. O morador de São Caetano, em São Paulo, trabalha em uma empresa especializada em inovações. Ele desenvolveu um programa ‘inteligente’ que coleta e interpreta informações de performance de aparelhos domésticos para antecipar panes. Trata-se do conceito de Machine Learning, ou ‘máquinas que aprendem’, em livre tradução do Inglês. Elias explica.

“Você cria vários experimentos de Machine Learning, você cria vários algoritmos, várias equações diferentes para ter certeza de que está sendo eficiente na sua indústria, e você vai verificar qual delas está acertando mais.”

Para o professor de Ciência da Computação da Universidade de Brasília (UnB), Alexandre Zaghetto, a Inteligência Artificial vai ajudar a acelerar as linhas de produção da indústria brasileira.

“A gente poderia ter uma linha de produção, onde os produtos são confeccionados, e um sistema computacional que está englobado na Inteligência Artificial, poderia continuamente fazer a inspeção desses produtos para a questão de qualidade.”

A Inteligência Artificial é uma das tecnologias que fazem parte da Indústria 4.0, a chamada quarta revolução industrial. E para que seja totalmente implementada no Brasil, o setor da indústria, defende que governo priorize políticas que difundam e impulsionem a adoção das novas tecnologias. O gerente executivo de Política Industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), João Emílio Gonçalves, explica.

“As tecnologias digitais têm o potencial de contribuir para a solução de grandes problemas nacionais. Então, se a gente pensar em atendimento à saúde, de eficiência energética e mobilidade urbana. Tudo isso pode ser melhorado. A prestação de serviço para a sociedade pode ser melhorada por meio de tecnologias digitais.”

A recomendação está no estudo Indústria 4.0 e Digitalização da Economia, incluído em um conjunto de propostas da indústria para as Eleições 2018.

Reportagem, Sara Rodrigues