Take a fresh look at your lifestyle.

-publicidade-

-publicidade-

Susam promove encontro entre profissionais da área de saúde mental para balanço de atividades

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) promoveu nesta quinta-feira (05) a I Oficina de Avaliação e Planejamento das Ações de Saúde Mental no estado do Amazonas. A reunião aconteceu no auditório Maria Eglantina Rondon, na sede da Susam, e reuniu profissionais das redes estadual e municipal e do Distrito Sanitário de Saúde Indígena de Manaus (Dsei).

Cada serviço de saúde onde é ofertado atendimento na área de saúde mental foi convidado a apresentar os resultados dos trabalhos desenvolvidos nos anos de 2012 a 2014, apresentando pontos como a demanda atendida em cada ano, os pontos negativos e positivos de cada serviço.

A coordenadora estadual de Saúde Mental, Maria de Lourdes Siqueira, explicou que a rede de saúde mental, em Manaus, é formada pelos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), policlínicas, Serviço Residencial Terapêutico Lar Rosa Blaya, Centro Psiquiátrico Eduardo Ribeiro (onde hoje funciona somente um Serviço de Pronto-Atendimento) e pelo Centro de Reabilitação em Dependência Química Ismael Abdel Aziz. “Cada serviço tem uma característica própria. Os Caps, por exemplo, trabalham com transtornos mentais, álcool e outras drogas, graves persistentes. As policlínicas ofertam atendimento ambulatorial. Essa reunião tem o objetivo de trazer os profissionais aqui para discutir as peculiaridades de cada serviço e buscar o alinhamento que sirva para todos”, explicou.

Ela lembra ainda que o estado está em processo de implantação e implementação da reforma psiquiátrica, que contemplou entre várias ações a desativação do ambulatório do Centro Psiquiátrico Eduardo Ribeiro e a implantação do Serviço Residencial Terapêutico Lar Rosa Blaya. “Até 2012 nós tínhamos o atendimento concentrado no Eduardo Ribeiro e atendíamos cerca de 3 mil pacientes por mês, no ambulatório. Descentralizamos o atendimento e hoje estamos atendendo cerca de 7 mil pacientes todos os meses. Sabemos que essa demanda é crescente e vamos nos preparar para poder suprir as necessidades da rede”, informa.

A coordenadora explicou que a partir dos dados apresentados na reunião será possível traçar novas metas e objetivos para os próximos anos na área de saúde mental. “Estamos aqui para que todos conheçam a rede e os serviços ofertados e possam contribuir com propostas de melhorias. A coordenação vai consolidar todas as informações e traçar os planos daqui pra frente”, relata.

O diretor do Centro de Reabilitação em Dependência Química Ismael Abdel Aziz, Pablo Gnutzmann, esteve presente no evento e falou sobre a unidade de saúde, que está localizada no km 53 da rodovia AM 010. A unidade faz parte da rede estadual de saúde, tem capacidade para internar até 120 pacientes, por um período de 90 dias.

A unidade oferta tratamento de reabilitação para pacientes que fazem uso abusivo de álcool e outras drogas. “Nós trabalhamos com a política de redução de danos, como estratégia de cuidados, e um dos eixos trabalhados é o de mostrar ao paciente o que é de verdade a droga e quais as consequências do uso dessas substâncias”, explicou o diretor.

Ele falou, ainda, que no Centro, além do acompanhamento médico ambulatorial, os pacientes contam com apoio de uma equipe multiprofissional e com um leque de atividades terapêuticas, como as oficinas de música, panificação e confeitaria, corte de cabelo, corte e costura e biojoias. “Os pacientes fazem questão de participar das atividades, veem como uma oportunidade de aprender uma profissão para ter uma ocupação após a alta”, destaca.

Lourdes Siqueira disse que fez questão de colocar o Centro de Reabilitação na programação por ser um serviço novo e que nem todos conhecem ou sabem como funciona. “A rede precisa conhecer o serviço, que é inovador, saber que o paciente não pode ser encaminhado diretamente, que precisa passar pelo Centro de Atenção Psicossocial”, finaliza.

-publicidade-