As operadoras de TV paga perderam quase 550 mil assinantes no ano passado, o que representa uma queda de 3% na base de usuários. A informação foi divulgada pela Agência Nacional de Telecomunicações, a Anatel.

O gerente de Universalização e Ampliação do Acesso da Anatel, Eduardo Jacomassi, conta que, apesar da redução não ser tão significativa, é uma tendência que já vinha sendo observada desde 2014, quando o serviço de TV por assinatura teve seu auge. Segundo ele, a crise econômica é um dos fatores que levaram os consumidores a cortarem o serviço.

“É possível fazer uma correlação dessa queda com, por exemplo, a crise econômica, que a partir do ano de 2015 nós tivemos aí um agravamento da crise econômica e coincide com o momento em que a quantidade de assinantes começa a cair. As famílias acabam entendendo por não ser um bem tão essencial e acabam desligando o seu serviço de TV por assinatura.”

No total, foram registrados 17 milhões e 500 mil contratos ativos no fim de 2018. Os serviços por satélite (DTH) continuam sendo os mais utilizados, representando 54% do mercado (9,4 milhões de acessos).

Já no recorte por grupos comerciais, a Claro domina quase metade do mercado (48.9%). De origem mexicana, o conglomerado atua no Brasil por meio da NET e da Claro TV, além de oferecer serviços de telefonia móvel, banda larga móvel e telefonia.

Em segundo lugar vem o grupo Sky (30,1%), com atuação sobretudo em TV por assinatura por satélite (DTH). A Oi fechou 2018 com 9,1% de participação, enquanto a Vivo, do grupo espanhol Telefónica, fechou o ano passado com 8,9% dos consumidores.

Reportagem, Cintia Moreira