Aumento da criminalidade mostra o mapa da violência nos Estados

Especialista em Inteligência Estratégica e Segurança, Ricardo Gennari, fala sobre o Atlas da Violência 2019, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

De acordo com estudos realizados, embora o número da violência tenha diminuído em alguns estados federativos como o Distrito Federal, Paraná, Piauí, Rondônia e Sergipe, nas regiões Norte e Nordeste, a quantidade de homicídios cresceu 65.602 no ano, média de 179 mortes ao dia em 2017. Os dados revelam que os assassinatos aumentaram no Acre, Ceará, Espírito Santo, Pernambuco e Roraima. Em 2018, foram 51.589 assassinatos no Brasil, mesmo tendo diminuído, as estatísticas ainda são altas.

Conforme citado na pesquisa, a justificativa para o aumento do índice da violência está diretamente relacionado com as organizações criminosas no Brasil (PCC e CV), que brigam pelo domínio do tráfico de entorpecentes dentro e fora dos presídios. Sobre esse assunto Gennari comenta: “A briga dentro das cadeias (castelos) são disputados como território de poder. Em 2014 eram poucos grupos dentro das cadeias, hoje são 84 que dominam as cadeias”. Segundo o especialista, as políticas de segurança pública estão sendo ineficientes e a sociedade está sendo morta todos os dias. “Hoje, temos mais um problema para ser combatido, o crime organizado. Somos reféns da violência e o Estado não acompanha a evolução do crime”, enfatiza Ricardo.

Ricardo Ferreira Gennari – Graduado em Ciências Econômicas pela Faculdade de Ciências Econômica de São Paulo, Ricardo Gennari é especialista em Inteligência Estratégica e Segurança. Pós com MBA em Inteligência Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Política e Estratégia pela Universidade de São Paulo (USP). E ainda, Gerência de Sistemas e Serviços de Informação; Logistics and Transportation for the Executive Manager pela School of Business Administration – University of Miami.

Mestrando em Gestão de Políticas Públicas pela FGV. Tem cursos de Especialização na Brookings Executive Education – Washington D.C. – USA; na Academy of Competitive Intelligence; no Internacional Police Executive – New York; na Escola Superior de Guerra e na Escola de Governo, conveniada à Universidade de São Paulo; no Institute of Terrorism Research and Response de Israel; na Defense Academy of the United Kingdom (Inglaterra); na Academy for Advanced Security & Anti-Terror Training (Israel) e na National Intelligence Academy (Estados Unidos).