ONG oferece até processo de coaching gratuito a desempregados

Uma equipe de voluntários trabalha para diminuir a fila de desempregados. São mais de 12 milhões à procura de um salário, sem falar naqueles que já cansaram de enviar currículos e desistiram de sair à rua para bater perna atrás de um emprego. “É muita gente desesperada que precisa de uma colocação para colocar a vida em ordem. Sem falar que essas pessoas, fora do mercado, não fazem a roda da economia girar. Estamos falando em uma Bolívia, um país, sem trabalho”, ressalta Sady Bordin, presidente do Instituto Eu Consigo.

Criado pouco mais de um ano, mas com atuação efetiva a partir do segundo semestre do ano passado, mais de seiscentas pessoas já procuraram a ONG buscando auxílio. O Instituto faz, sem custos, análise de currículos, adaptando-os às exigências dos empregadores e, também, um trabalho de coaching totalmente gratuito. Como resultado, sete pessoas conquistaram a carteira assinada.

O Instituto oferece diversos serviços gratuitos em três áreas: para jovens de 16 a 24 anos com o programa Primeiro Emprego; para aqueles que têm mais de 60 anos no programa Terceira Idade e um programa específico para as pessoas com deficiência e necessidades especiais. “Toda equipe envolvida quer oferecer condições para aqueles que nos procuram possam, de alguma maneira, se reinventarem para se adaptar às novas exigências do mercado e, assim, entrar na busca do emprego com novos diferenciais”, diz Sady.

Um dos programas que mais impressiona o desempregado é o do contato com nossos coachings. Para participar, o trabalhador deve ter uma conta no Skype. Edson Marcelino é um dos voluntários desse programa. Ele já atendeu oito coachee em sessões via Skype. Na sua metodologia, ele adota dez sessões onde procura “dar clareza sobre o que quer o coachee”. Destaca que o trabalho não significa “reciclagem”, mas, sim, que “a pessoa é guiada para um processo de autoconhecimento visando encontrar áreas antes nebulosas que podem dar um propósito de vida”. De Joinville, onde trabalha, ajudou pessoas de São Paulo e Bahia, por exemplo. Além disso, o profissional Leonardo Lemos dá orientações sobre planejamento financeiro.

OBS: Havendo interesse, o presidente da ONG, Sady Bordin, está à disposição para entrevista, como realocados no mercado de trabalho pelo Eu Consigo podem dar seus depoimentos. Peça o contato no [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here