Take a fresh look at your lifestyle.

Wilker Barreto cobra os 100 leitos de UTI no Delphina do Governo Amazonas para combate ao Covid-19

-publicidade-

O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) usou, nesta quinta-feira, 2, a Sessão Ordinária virtual da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) para cobrar a instalação dos 100 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no HPS Delphina Aziz, anunciados no último dia 18 de março pelo Governo do Amazonas para o combate do novo coronavírus no Estado. Atualmente, são 229 casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, sendo 205 em Manaus, 24 no interior, abrangendo 9 municípios.

Durante seu pronunciamento, o parlamentar criticou a demora do Executivo em entregar as unidades de suporte avançado diante do progressivo aumento no número de casos confirmados da pandemia. Isso porque, a sobrecarga dos leitos de UTI é um dos maiores riscos relacionados ao coronavírus. A letalidade da doença está ligada diretamente a oferta de leitos que possuem equipamentos como respiradores e desfibrilador bifásico. A montagem dura cerca de dez dias.

Os respiradores são necessários, principalmente, pois estima-se que aproximadamente 5% dos pacientes com Covid-19 acabem sofrendo a chamada síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA).

“Há quinze dias, o secretário de saúde afirmou em reunião que já tinha comprado 100 leitos de UTI para o Delphina, mas o hospital está operando com apenas 69 unidades no combate ao Covid. Governador, cadê os 100 leitos prometidos, está vindo de jegue? O Amazonas não pode esperar chegar o pico da epidemia para reagir”, alertou Barreto.

Requerimento

O Líder da Minoria na Aleam afirmou, também, que protocolou um requerimento que solicita da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) que apresente informações sobre a estrutura e dados do corpo técnico do Delphina Aziz, hospital escolhido pelo Governo para ser unidade de referência no atendimento a casos suspeitos e confirmados do Covid-19.

“Precisamos saber como está a questão estrutural do Delphina e qual a projeção deles faltando de três a quatro semanas para o pico da doença chegar no Amazonas”, disse.

O parlamentar ainda comentou que recebeu informações que os médicos que estão no Delphina não são intensivistas. “O requerimento também solicita informações dos profissionais que atuam hoje no hospital, quem são eles, a qualificação deles, porque a cooperativa credenciada, segundo informações, ainda está em fase de negociação. Tem um médico responsável, mas não são intensivistas que estão lá, foi o que chegou até mim”, alertou Barreto.

-publicidade-