Wilker Barreto revela documentos que comprovam alertas da White Martins sobre falta de oxigênio e contradizem Governo do Amazonas

O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) revelou nesta quarta-feira (16) documentos que comprovam alertas da empresa White Martins ao Governo do Amazonas sobre a necessidade de ampliar a oferta de oxigênio no Estado, durante a pandemia do coronavírus. A denúncia do parlamentar, realizada durante Sessão Ordinária da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), é uma resposta ao ofício do Líder da Oposição à empresa, que desmente posicionamento do Executivo, divulgado na última terça-feira (15), em que afirmava que a fornecedora do gás medicinal não teria avisado sobre a possibilidade de desabastecimento do item.

Na tribuna, Barreto apresentou três ofícios da White Martins enviados à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) alertando sobre a necessidade de aumento do consumo de oxigênio decorrentes da pandemia, datados em 16 de julho de 2020, 9 de setembro de 2020 e 7 de janeiro de 2021. Nos documentos, trechos em comum advertiram sobre a necessidade de aumento dos gases medicinais. “(…) já pudemos constatar que os mesmos não suportarão o consumo que atualmente estão praticando (…) é imperioso que se tomem medidas preventivas e, desde já, providenciar o acréscimo dos volumes contratados, até porque são referentes ao atendimento indiscutível à vida’.

De posse dos ofícios da White Martins, com carimbo de protocolo da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Wilker afirmou que o Executivo levantou falso testemunho através de seus canais oficiais de comunicação.

“A nota do Governo do Estado dizendo que a White Martins nunca avisou o colapso do oxigênio é uma afronta e uma falta de respeito para com o povo. Nos documentos oficiais, encaminhados pela empresa em resposta a uma solicitação minha, é possível identificar o primeiro comunicado no dia 16 de julho de 2020 e o segundo no dia 9 de setembro de 2020, ou seja, eles vinham alertando a necessidade de se ampliar o fornecimento em função do aumento da demanda. A incompetência e má gestão do Governo custaram a vida de inocentes”, afirmou Wilker.

Os documentos oficiais apresentados por Barreto também citam que a White Martins, em julho de 2020, já trabalhava sob a máxima capacidade e pediu medidas urgentes do Governo. “As cenas de horror que passou o Amazonas, infelizmente, ficarão marcadas de forma triste para nossa história. Vidas poderiam ter sido salvas, se tivessem em 2020 investido nas usinas de oxigênio”, ponderou Wilker.

Depoimento Marcellus

Ainda nesta terça-feira, o deputado criticou o depoimento do ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, à CPI da Pandemia. “O depoimento do Marcellus Campêlo foi uma ofensa, uma falta de respeito com este Estado e os mais de 13 mil mortos. O Amazonas passou mais de dois dias de caos. Balas de oxigênio entrando nos hospitais, nos SPAs, famílias desesperadas, é impossível esquecer. O que passou o nosso Estado eu não desejo que ninguém passe”, frisou.

Assessoria de Comunicação